Page 1 of 2 12 LastLast
Results 1 to 8 of 15

Thread: Reequipo De Las Ff.aa De Brasil

  1. #1
    Join Date
    Sep 2005
    Location
    BRASIL
    Posts
    404
    Rep Power
    16

    Default Reequipo De Las Ff.aa De Brasil

    POSTEAMOS AQUI LAS NOTICIAS DE REEQUIPO DE LA FF.AA DE BRASIL


    Ministro Waldir Pires anuncia diretrizes
    para fortalecer Forças Armadas
    Submarinos: Nuclear e Convencional, F-X, Mísseis, Blindados e
    Fontes de Financiamento


    Assessoria de Imprensa MD


    O Ministro da Defesa, Waldir Pires, anunciou na terça-feira (5/6), ao Conselho Militar de Defesa, as principais diretrizes que deverão ser seguidas pelas Forças Armadas e pelo Ministério para fortalecer os meios de defesa do País e consolidar a estratégia de dissuasão adotada pelo Brasil. O Conselho, criado pela Lei Complementar Nº 97/1999 é o órgão de assessoramento do Presidente da Republica que trata sobre as políticas na área de Defesa.

    “A soberania não se delega, se exerce por meio de nossas instituições civis e militares”, disse o ministro aos demais participantes do Conselho- os Comandantes da Marinha, Almirante-de-Esquadra Júlio Soares de Moura Neto, do Exército, General-de-Exército Enzo Martins Peri, da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro-do-Ar Juniti Saito, e o Chefe do Estado-Maior de Defesa, Cleonilson Nicácio Silva. “É evidente que o Brasil precisa estar aparelhado, precisa estar capacitado, precisa estar em condições de dizer ao povo brasileiro que nós temos condições de termos uma nação que cumpra seus deveres com seu destino e com o futuro do seu povo”.

    O ministro determinou que as Forças revisem o Programa de Reaparelhamento das Forças Armadas, com uma visão prospectiva, levando em conta a importância crescente que o País assume na América do Sul e no mundo. E realçou a instabilidade do cenário internacional, onde nem sempre os meios institucionais têm sido suficientes para resolver os conflitos políticos.

    O Ministro ordenou que seja estudada a possibilidade de implantação de um sistema de compras de materiais unificado entre as três Forças Armadas (Marinha, Exército, Aeronáutica). Reafirmou ainda como prioridades, a implantação do projeto do submarino de propulsão nuclear, ao lado dos submarinos convencionais, a construção de novos navios-patrulha oceânicos e fluviais, principalmente para atuar na Amazônia, e a compra de aeronaves de superioridade aérea (projeto FX).

    Também foi traçado como prioridade o desenvolvimento nacional de famílias de mísseis - antiaéreos, terra-ar, mar-ar, etc.- e aquisição de mais radares de defesa aérea tridimensionais. Foi ainda definida a necessidade de ampliação da frota de helicópteros de transporte e de ataque, e definida a opção de rodas para os blindados, em vez de lagartas.

    Grande parte destas escolhas deve-se à definição da Amazônia como prioridade estratégica do país, o que exige grande mobilidade de forças com poder de fogo. Na região também haverá esforço especial para melhorar as condições de vida das tropas. A mesma preocupação estratégica aplica-se à proteção do Atlântico Sul, onde concentra-se grande atividade econômica brasileira, como a produção de 80% do petróleo produzido no País.

    Para dar suporte a este fortalecimento, o Conselho de Defesa estudará a possibilidade de criação de um Fundo de Reaparelhamento das Forças Armadas. A idéia é garantir a sustentação financeira para cobrir as necessidades das Forças, evitando interrupção no fluxo financeiro. Ele também disse estar empenhado em suspender o contingenciamento do orçamento de verbas das Forças.

    Para o ministro da Defesa, o Brasil também deve fortalecer sua indústria de Defesa, tornando-a capacitada não apenas para suprir as necessidades das forças nacionais, mas também fornecer para a America Latina e outras regiões do mundo. “O Brasil deve fortalecer suas Forças Armadas; já adotamos uma política de paz e do multilateralismo, sustentada por um poder de disuassão razoável. O Brasil não pode ser um mero comprador de materiais de defesa, precisamos fortalecer nossa industria”, concluiu.
    AD ASTRA PER ASPERA

  2. #2

    Default

    Estimado Brasil,

    Isso é apenas discurso político - nada há de concreto ainda (e você sabe bem disso). Logo, não há motivo para se criar mais um tópico para ficarmos especulando sobre um possível reequipamento das Forças Armadas Brasileiras.

    Talvez você devesse conter um pouco a sua euforia e esperar que as coisas avancem e se tornem mais críveis, para não dar azo a chacota.

    Saudações cordiais,
    Y el dijo: Levantate!

    y el otro respondio: Jodeeer, ya es de mañana?

  3. #3
    Join Date
    Sep 2005
    Location
    BRASIL
    Posts
    404
    Rep Power
    16

    Default

    Quote Originally Posted by Ega View Post
    Estimado Brasil,

    Isso é apenas discurso político - nada há de concreto ainda (e você sabe bem disso). Logo, não há motivo para se criar mais um tópico para ficarmos especulando sobre um possível reequipamento das Forças Armadas Brasileiras.

    Talvez você devesse conter um pouco a sua euforia e esperar que as coisas avancem e se tornem mais críveis, para não dar azo a chacota.

    Saudações cordiais,

    Senhor Ega..
    creio que se estas palavvras não se concretizarem, é melhor desativermos todas aos nossos meios.. porque sem essas alteraçõe um cenário de guerra atual... seremos massacrados



    Quanto ao FX .. tenho certeza.. quanto as outras alterações nem tento.. mais sei que sem elas não somos nada diante de uma força inimiga bem armada, seja com 10 F-16 ou 20 SU-30.. é uma questão de prestigio.. e nisso o Brasil esta sendo pisado..
    AD ASTRA PER ASPERA

  4. #4
    Join Date
    Feb 2007
    Location
    Brasil
    Posts
    76
    Rep Power
    0

    Thumbs up

    Prezado Brasil,
    concordo contigo, penso que a partir de agora a questão da defesa será tratada com maior atenção por parte do governo, isso graças a uma conjunção de fatores: 1º os últimos movimentos do Presidente Chaves, principalmente após sua petulante reprimenda ao congresso brasileiro dão mostras do grau de deterioração das relações Brasil-Venezuela, que nem com a boa vontade do presidente Lula parecem ser possíveis de recuperação (agora parece que ele não quer mais entrar no Mercosul também). 2º o elevado grau de obsolência atingido pelos principais sistemas de armas brasileiros (fragatas, caças, carros de combate, helicópeteros, etc...) sendo que essas carências das nossas FFAA comecem causar danos políticos a imagem do governo e do Brasila devido a impedimentos de ações governamentais na área de segurança interna e missões de caráter internacional (há relatos de informes enviados ao governo sobre a situação das FFAA e comparações em relação a países vizinhos inclusíve com a simulação de possíveis cenários de conflitos - portanto há interesse)
    3º O bom momento da economia brasileira e o elevado níveis das reservas internacionais associado com o balanço favorável da balança comercial brasileira em relação a diversos países apontam para um cenário favorável para a realização de compras militares de maior vulto.
    Portanto vamoa torcer para que os interesses políticos da turma do quanto pior melhor não interfiram nas ações previstas pelo Ministério da Defesa e pelos comandos das FFAA.
    Deve, pois, um príncipe não ter outro objetivo nem outro pensamento, nem tomar qualquer outra coisa por fazer, senão a guerra e a sua organização e disciplina, pois que é essa a única arte que compete a quem comanda. (Machiavelli)

  5. #5
    Join Date
    Feb 2007
    Location
    Brasil
    Posts
    76
    Rep Power
    0

    Default Alguém confirma essa notícia?

    País negocia compra de seis helicópteros
    Objetivo é adquirir Black Hawks, dos EUA, por US$ 300 milhões
    Roberto Godoy

    Os governos do Brasil e dos Estados Unidos estão negociando a venda de seis grandes helicópteros militares americanos Black Hawk, tipo UH-60L.
    A operação- no valor de US$ 300 milhões - foi notificada às comissões do Congresso na sexta-feira, em Washington.
    O contrato cobre 12 motores, garantias, acessórios, peças de reposição, componentes, ferramentas, equipamento de apoio,documentação técnica, treinamento de pessoal e suporte especializado. Não há menção sobre os sistemas de armas.
    Segundo o informe da Agência de Cooperação em Defesa e Segurança, o Brasil precisa dessas aeronaves “para manter os compromissos civis e a sua auto-defesa sem depender da assistência de outras nações”. Na análise feita para os congressistas, a frota é definida como necessária também “ao provimento de apoio às forças terrestres e a defesa de pontos vitais”.
    O Brasil é definido como “uma Nação amiga, importante força política estável e uma economia em franco progresso”.
    A Aviação do Exército e a Força Aérea já empregam os helicópteros Black Hawk. Cada um deles pode levar até 14 soldados equipados para combate e quatro tripulantes. O preço por unidade, dependendo das especificações eletrônicas e dos equipamentos, varia entre US$ 5,9 milhões e US$ 10,2 milhões.
    A versão UH-60L é o arranjo padrão das forças dos EUA. Segundo o fabricante, a Sikorsky Aircraft Corporation, os Black Hawks que atuam no Iraque, dotados de blindagem nas laterais e na seção inferior, têm sido usados no transporte ligeiro de peças de artilharia - canhões 105 mm e morteiros 120 mm.
    O helicóptero mede 19,76 metros. Voa a 357 km/hora. Alcance máximo em ação: 600 km.
    O armamento básico é composto por duas metralhadoras laterais M60, 7.62 mm, ou um canhão M134 rotativo 0.30 com capacidade para disparar munição feita com urânio exaurido.
    A carga externa, cerca de 4,5 toneladas, comporta lançadores de foguetes e sensores digitais de visão noturna e alerta.
    FONTE: Jornal Estado de São Paulo

    Não seriam os Seahawks da Marinha?
    Last edited by Lobo_Guara; 03-07-2007 at 12:01 AM.
    Deve, pois, um príncipe não ter outro objetivo nem outro pensamento, nem tomar qualquer outra coisa por fazer, senão a guerra e a sua organização e disciplina, pois que é essa a única arte que compete a quem comanda. (Machiavelli)

  6. #6
    Join Date
    Feb 2007
    Location
    Brasil
    Posts
    76
    Rep Power
    0

    Default Matéria da Revista ISTO É

    Por que o Brasil precisa de Defesa
    Depois de anos de descaso, governo prepara um plano para reaparelhar as
    Forças Armadas com equipamentos e tecnologia nacionais.
    Mas a prática de comprar "caixas-pretas" sobrevive


    Por HUGO STUDART, CLÁUDIO CAMARGO
    E ELIANE LOBATO

    As duas decisões são estratégicas para o País, mas são contraditórias e a tendência do governo é aprovar as duas, esquizofrenicamente. Nos próximos dias, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva deve convocar uma reunião secreta do Conselho de Defesa Nacional para examinar o Plano de Reaparelhamento das Forças Armadas. O projeto prevê investimentos de R$ 5,5 bilhões até 2011, só em equipamentos, a maior parte com tecnologia e produção nacionais. “Reaparelhamento não me parece o termo adequado; é aparelhamento”, diz o ministro da Defesa, Nelson Jobim. Ao Exército, serão destinados R$ 2 bilhões, principalmente para a compra de blindados sobre rodas.
    A idéia é incentivar a criação de uma nova indústria de carros de combate, como a falecida Engesa dos anos 70 e 80. Para a Marinha, irá R$ 1,5 bilhão, destinado prioritariamente à construção de nosso primeiro submarino nuclear, a ser lançado em 2013. A Aeronáutica vai abocanhar outros R$ 2 bilhões para adquirir – e depois produzir aqui mesmo, em parceria com a Embraer –, caças de última geração, como o francês Rafale. Mas ao mesmo tempo, o governo vai comprar, por US$ 180 milhões, 12 helicópteros de ataque russos Mi-56 (Nota Defesa@Net Trata-se do helicóptero Mi-35). A compra deve ser assinada na próxima semana pelo comandante da Aeronáutica, tenente-brigadeiro Juniti Saito. Em troca, a Rússia comprará carne e frango do Brasil. A contradição está justamente nisso: não haverá nenhuma transferência de tecnologia para o Brasil.
    A Força Aérea não queria os helicópteros russos, entre outras coisas porque eles não têm garantia de manutenção. A intenção da FAB era encomendar os novos helicópteros à indústria Helibrás, que já fabrica no País os Esquilo de uso civil, sob licença da Eurocopter. A Aeronáutica negociava com os europeus a transferência de tecnologia para a Helibrás produzir também o Cougar e o Pantera por aqui. Então por que o Brasil está comprando os Mi-56 russos? Porque, em fins do ano passado, o então ministro do Desenvolvimento, Luiz Fernando Furlan, negociou um escambo comercial com o governo de Vladimir Putin. Os russos abriram o mercado para a importação de frango e carne brasileiros. Como contrapartida, Furlan comprometeu-se a comprar equipamentos militares russos. Originalmente, eram 40 helicópteros, 12 Mi-35, de ataque e 28 Mi-171, de transporte. O Planalto tentou empurrar o pacote para o Exército; não teve êxito e a Aeronáutica teve que ficar com o embrulho. Os militares ainda conseguiram barrar os de transporte e ficaram só com os de ataque. De qualquer forma, essa é uma decisão completamente oposta à idéia de reaparelhar as Forças Armadas através do fortalecimento da indústria bélica brasileira.
    Exército, Marinha e Aeronáutica vivem uma situação de total incúria. Gastam pouco, gastam mal e o que têm está sucateado. No final da década de 80, o Brasil tinha uma das indústrias bélicas mais pujantes do mundo; hoje, algumas delas, como a Engesa – fabricante dos blindados Urutu e Cascavel –, faliram; outras não têm como atuar. A Mectron, fabricante dos mísseis Piranha, a Orbisat tem o protótipo de um dos mais modernos radares de baixa altura do mundo, mas, como não têm encomendas militares, vive a bisonha situação de sobreviver da fabricação de fechaduras e capacetes para empresas de segurança.
    A Avibrás, pioneira na pesquisa espacial, hoje não tem recursos (nem encomendas) para tirar da prancheta os mísseis de precisão que seus engenheiros ainda concebem. Das primeiras indústrias militares, sobrou inteira somente a Embraer – mas porque pôde se reinventar na aviação comercial. E a Imbel, fabricante de armas leves, hoje vive de vender pistolas. Aguarda uma encomenda do Exército de 175 mil fuzis 5.56, que vão substituir os velhos FAL. “A Imbel, como as demais, tem que ser encarada como uma indústria estratégica”, diz o general Darke Nunes, chefe do Departamento de Ciência e Tecnologia do Exército.

    A modernização das Forças Armadas é necessária não porque exista algum inimigo do Brasil à espreita, mas porque é estratégico para nossas ambições futuras. Na maior parte dos países emergentes, gasta-se em média 8% do PIB com defesa. O Brasil, que já gastou 7%, hoje destina 1,8%, a menor porcentagem da América Latina. O Chile gasta 10%. “O orçamento do Exército brasileiro é menor do que o das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia)”, ironiza um oficial. Da parte que cabe ao Exército, nada menos que 82% são consumidos com salários; o resto é para custeio e investimentos. “Hoje não temos artilharia sequer para defender o complexo industrial de São Paulo ou nossas hidrelétricas”, lembra Nelsimar Vandelli, coordenador do Centro de Atividades Externas da Escola Superior de Guerra.
    Estrategistas dizem que é temerário aferrar-se à velha tese de que somos um povo pacífico e não estamos sob ameaça – e que, portanto, não precisamos de Forças Armadas. Alguns lembram o rearmamento da Venezuela e o conflito com a Bolívia, mas a maioria vê ameaças mais sérias e menos evidentes. A Amazônia, que detém 20% da água potável do planeta e esconde outro tesouro sob a forma de minerais, já está sendo atacada de forma silenciosa por ONGs estrangeiras, que difundem a idéia da internacionalização da floresta. “Chegará o momento em que organismos internacionais vão construir a tese de que não sabemos cuidar da Amazônia e que, para o bem da humanidade, exércitos estrangeiros precisam intervir”, diz um membro do Alto Comando do Exército. Na plataforma continental, chamada de Amazônia Azul, a Marinha não consegue vigiar a pesca predatória estrangeira. “Também é no mar que estão 85% do nosso petróleo”, lembra Saturnino Braga, ex-presidente da Comissão de Defesa do Senado. E se as plataformas da Petrobras forem atacadas por terroristas? “Por isso é preciso ter Forças Armadas bem equipadas e treinadas.”
    A Marinha, aliás, atravessou décadas de uma situação inusitada. Parte do almirantado defendia uma armada de ataque, baseada em porta-aviões. Outra facção queria uma marinha dissuasória, com submarinos – de preferência nucleares. A força apostou nos dois caminhos e hoje tem um poder capenga. Agora, o governo decidiu investir na conclusão do submarino nuclear. Pouco antes, a Marinha optara por encomendar à Alemanha um submarino U-214, convencional, sob o argumento de dar continuidade ao U-209, modelo dos cinco submarinos atuais. Ainda não existe nenhum exemplar do U-214 em operação; o primeiro, entregue à Grécia em 2006, apresentou tantos defeitos que a Marinha grega recusou seu recebimento.

    O pior é que está em curso uma operação para adquirir o sistema de armas do submarino – o software que determina todo o tipo de armamento que um submarino poderá utilizar. É uma “caixa-preta” fornecida pela americana Lockheed Martin, como foi anunciado pelo US Strategic Cooperation. Reproduz-se, aqui, o choque entre uma concepção utilitarista e uma visão de longo prazo. O argumento dos primeiros é que “nenhum país transfere esse tipo de conhecimento”. De fato, os americanos não fazem isso mesmo, mas russos e franceses sim. Países como Índia, Paquistão, Austrália e China, aliás, já mostraram como é possível usar o offset tecnológico para exigir transferência real de tecnologia.

    “ TEMOS QUE TRAZER TECNOLOGIA ”

    O presidente da Fiesp, Paulo Skaf, é um entusiasta da recriação da indústria de defesa nacional. “Nossa visão é que a Defesa não é uma indústria normal, como qualquer produto que se compre ou se venda”, diz Skaf. “Quando falamos de Defesa, estamos falando de soberania nacional. Não se pode comprar equipamentos militares em troca de commodities”, alfineta o empresário, citando o caso dos helicópteros russos. “Temos que pensar em trazer tecnologia.” Skaf criou na Fiesp o Comitê da Cadeia Produtiva da Indústria de Defesa (Comdefesa), um fórum de discussão do tema que reúne empresários e oficiais-generais. “O Brasil deixou de produzir material bélico, criou-se uma defasagem e, para minimizar essa obsolescência, optamos por importar significativa parcela do equipamento militar”, completa Jairo Cândido, presidente do Grupo Inbrafiltro e coordenador do Comdefesa. “Para piorar, o sistema tributário brasileiro penaliza a indústria de defesa. Um produto adquirido no Exterior custa às Forças Armadas 42% menos que o mesmo material produzido no Brasil”, diz Cândido.

    Fonte: Revista Isto É - 28 Agosto 2007 - Edição 1974
    Deve, pois, um príncipe não ter outro objetivo nem outro pensamento, nem tomar qualquer outra coisa por fazer, senão a guerra e a sua organização e disciplina, pois que é essa a única arte que compete a quem comanda. (Machiavelli)

  7. #7
    Join Date
    Apr 2007
    Posts
    2,165
    Rep Power
    16

    Default

    Disculpen el Copy-Paste....

    Brasil gastará dos mil mdd para comprar 36 cazas y modernizar su fuerza aérea
    Afp y Dpa

    Sao Paulo, 4 de noviembre. El gobierno brasileño autorizó a la fuerza aérea retomar un proyecto que incluye la compra de cerca de 36 aviones cazas con un costo de dos mil 200 millones de dólares para modernizar su flota, según reporte de agencia Estado.

    El presidente Luiz Inacio Lula da Silva autorizó al máximo responsable de la aviación militar, Juniti Saito, llevar adelante el plan para adquirir cazas de quinta generación, una iniciativa archivada en el gobierno anterior que preveía compras por 700 millones de dólares.

    La Fuerza Aérea analiza la compra de aviones Eurofighter Thypon (fabricados por un consorcio de empresas de Alemania, Gran Bretaña, España e Italia) y de aeronaves Sukhoi 35 de Rusia, Gripen de una empresa anglosueca y Rafale de Francia.

    Los oficiales brasileños también estudian las ventajas del F-35 de Lockheed, un supercaza de nueva generación de las fuerzas armadas de Estados Unidos, aunque no existe una oferta concreta sobre el mismo.

    “Francia siempre fue la mejor socia. Sobre Rusia, uno sabe de las dificultades y no sabe lo que va a suceder en diez años para que podamos garantizarnos las piezas de reposición. Estados Unidos, tradicionalmente, no transfiere tecnología”, analizó el diputado José Genoino, del gobernante Partido de los Trabajadores, interlocutor para asuntos de Defensa en el Congreso.

    El ministro de Defensa, Nelson Jobim, aseguró el miércoles ante el Congreso que el gobierno no realizará la compra de la nueva flota mediante el clásico modelo de licitación, en el que se compra el mejor producto por el menor precio ofertado, sino que las “compras iniciales” se realizarán a las empresas que ofrezcan el mejor paquete de transferencia de tecnología, a fin de generar el “embrión” de una política industrial.

    “Queremos un plan estratégico de defensa nacional que tiene que estar de acuerdo con el desarrollo nacional, vinculando la cuestión a toda la política industrial y a la crecación de un parque industrial de defensa”, manifestó Jobim.

    “No se trata más de una necesidad sólo de las tropas”, agregó. “Es necesario tener una perspectiva de creación de teconología nacional independiente”.

    El ministro Jobim anunció que a pedido del presidente Lula, iniciará en febrero una gira por todos los países sudamericanos con el objetivo de trabajar en una política de defensa regional.

    como buen brasileños que son TUDO GRANDE...

  8. #8

    Default

    Noticia de hoy en lo ´Estado de São Paulo´
    Brasil está preparándose para construir una nueva Embraer. No, no es para competir con la propia. Es para fabricar helicópteros militares de defensa y de transporte, que hoy no son producidos en el País. Negociaciones entre empresas francesas, españolas y de Sudáfrica, con A Helibrás, coordenadas por la Fiesp, están bastante adelantadas. Hoy y mañana, en Brasilia, los interesados discuten, en un seminario , los criterios para elección del vencedor. La idea es llevar todo al Ministerio de la Defensa a tiempo de impedir que Brasil compre helicópteros rusos fabricados hace casi 20 años. Y que, hoy, están parados.Nada contra los rusos. Finalmente, lo caza Sukhoi 35 es hoy uno de los favoritos, al lado del francés Rafale, en la nueva competencia para reaparelhar la FAB. En la pelea por los helicópteros, la rusa Rosoboronexport cree que lleva, pero nada está definido. Los franceses ofrecen producción local, en la Helibrás, asociada a bajo precio. Y los americanos gesticulan con financiación más larga.

Page 1 of 2 12 LastLast

Posting Permissions

  • You may not post new threads
  • You may not post replies
  • You may not post attachments
  • You may not edit your posts
  •