Anuncio 2

Colapsar

Anuncio

Colapsar
No hay anuncio todavía.

LAAD 2007

Colapsar
X
 
  • Filtrar
  • Tiempo
  • Mostrar
Limpiar Todo
nuevos mensajes

  • #16
    Atech leva sua inovação para LAAD 2007

    Simuladores de vôos, radares meteorológicos e soluções de monitoramento aéreo de baixo custo são apenas algumas das novidades da brasileira

    Organização 100% nacional, a Atech Tecnologias Críticas é especializada no desenvolvimento de softwares e na integração de sistemas para segurança de diversas áreas do País. Sempre alinhada às necessidades da Defesa Nacional, que reúne as três Forças Armadas (Marinha, Exército e Aeronáutica), a Atech levará para a LAAD 2007 - maior feira voltada às Forças Armadas e às indústrias de defesa da América Latina - as mais avançadas soluções para o planejamento e a coordenação de ações militares que, integradas e utilizando ferramentas inovadoras, formam um dos mais completos sistemas de informações militares do mercado.

    O evento, que ocorre do dia 17 a 20 de abril no RioCentro, Rio de Janeiro, reúne em uma única exposição as novidades do setor tecnológico de defesa para a Marinha, Exército e Aeronáutica.

    Com dez anos de experiência no desenvolvimento de sistemas inteligentes e a prova de falhas, a Atech apresentará o simulador de operações aéreas militares (SOPM), atualmente utilizado pela FAB para formação e treinamento dos controladores de defesa aérea. Quando acoplado ao aplicativo ASDS, pode gerar cenários de operações aéreas, envolvendo circulação aérea geral e circulação operacional militar. O sistema provê recursos de treinamento para os controladores de defesa aérea e é capaz de emular ambientes para treinamento e simulação de exercícios táticos.

    Outro importante produto apresentado pela empresa será o Aquila – sistema de monitoramento aéreo desenvolvido para a prestação de serviços de monitoramento a gasotudos, oleodutos, rodovias, ferrovias, sistemas de transmissão de energia elétrica, monitoramento ambiental, segurança localizada (portuária, por exemplo), entre outros.

    O Aquila consiste em um sistema de sensores integrados pela Atech, que é embarcado em aeronaves SuperXimango produzidas pela Aeromot. Com essa tecnologia é possível detectar, por exemplo, vazamentos de combustíveis e estado de conservação das linhas de transmissão, além de reduzir o custo operacional em relação a serviços semelhantes, ampliar a área de cobertura devido à maior autonomia de vôo, com transmissão e processamento de dados em tempo real e qualidade superior.

    Na área de energia, por exemplo, será possível adquirir imagens de todo o corredor das linhas de transmissão em um espaço de tempo cinco vezes menor do que os levantamentos feitos por helicóptero. O Aquila permite também que o piloto se comunique com técnicos que ficam em solo ou no escritório das companhias soluções para os problemas detectados durante a inspeção, agilizando a tomada de decisão.

    Ainda na área da defesa, o público também vai conhecer com mais detalhes as funcionalidades do ASDS – sistema de defesa aérea e circulação operacional militar, que constitui a base da solução para necessidades técnicas e operacionais de centros de gerenciamento e controle tático e estratégico de operações militares da defesa aérea. O ASDS é desenvolvido em módulos que permitem funções como visualização, tratamento de missões de defesa aérea, gravação e revisualização de cenários e informações, supervisão técnica e operacional e simulador de operações aéreas militares. O sistema permite o tratamento integrado de dados provenientes de radares fixos, transportáveis ou aeroembarcados.

    Suas interfaces para conexão com aeronaves de controle e alarme aéreo antecipado permitem o processamento de alvos gerados pelos radares embarcados, bem como a fusão e visualização dessas informações nos centros fixos e móveis de defesa aérea.

    DE OLHO NO TEMPO - A Atech também apresentará na LAAD a linha de radares da Atmos, empresa resultante do programa de incubação da organização. Seu radar metereológico Doppler, desenvolvido com tecnologia 100% nacional, tem alcance de 400 quilômetros. Esse tipo de equipamento é usado atualmente em todo mundo, com eficiência comprovada, nas áreas de meteorologia, agricultura, Defesa Civil e tráfego aéreo. Rastrear uma tempestade é um dos mais de 20 produtos que o primeiro Doppler brasileiro tem condições de fornecer ao usuário.

    A primeira unidade do radar Doppler da Atmos está instalada na área rural de Mogi das Cruzes, a 40 quilômetros da São Paulo.O equipamento de última geração identifica, em tempo real, as condições meteorológicas da porção leste e sul do Estado de São Paulo, sul do Estado do Rio de Janeiro, parte do Sul do Estado de Minas Gerais e parte do Estado do Paraná, incluindo o litoral paranaense.

    O Brasil possui 24 radares Doppler e a maior parte deles - 10 radares - está no Sivam (Sistema de Vigilância da Amazônia); outros 6 no Estado de São Paulo. Os Estados Unidos possuem cerca de 300 radares deste modelo, sendo que quase a metade encontra-se a serviço da Administração Nacional de Oceanos e Atmosfera (Noaa). Muitas das ferramentas integrantes do Sistema Integrado de Defesa desenvolvido pela Atech estão hoje em operação em setores críticos da economia, consolidando um benchmark de valor para as Forças Armadas.

    HISTÓRICO - Desenvolvidos com tecnologia 100% brasileira, os sistemas Atech reúnem ferramentas estratégicas imprescindíveis para as três forças (Marinha, Exército e Aeronáutica) gerenciarem a Defesa do País. A Atech Tecnologias Críticas é uma organização nacional criada em 1997 para integrar e viabilizar o mais importante sistema de monitoramento territorial e de meio ambiente do mundo: o SIVAM (Sisitema de Vigilância da Amazônia) , instalado na Amazônia Legal, responsável pelo monitoramento de 60% do território brasileiro.

    Em 2005, a Atech recebeu o Prêmio Destaque de Comércio Exterior 2005, na categoria "Exportador de Serviços" (no caso, exportação de conhecimento como provedora de soluções em tecnologia), concedido pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior e pela Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB).

    Além de clientes no setor público, a Atech também se destaca no desenvolvimento de soluções para o mercado privado, como por exemplo, o sistema Ares de logística, cujo objetivo é aumentar a produtividade, otimizar o uso de recursos e diminuir custos em todos os passos e segmentos que envolvem o transporte de cargas. A Atech tem sede em São Paulo, além da subsidiária AmazonTech, na Flórida (EUA).

    Comentario


    • #17
      Entrevista com Sérgio Figueiredo Jardim
      Diretor do Grupo Aeroespacial e Defesa para a América Latina da Reed Exhibitions Brasil e o “Show Director” da LAAD e da Aviation Expo Latin America

      [email protected] - Quais as perspectivas da LAAD 2007?
      Sérgio Jardim: Esperamos superar o número de visitantes registrado na última edição que foi de 12,5 mil pessoas. Trata-se de um público qualificado que atende às expectativas dos nossos expositores. Para se ter uma idéia, teremos delegações oficiais de mais de 40 países de todas as partes do mundo.

      [email protected] - Quais as novidades para a LAAD 2007?
      Sérgio Jardim: Além de um significativo aumento de área de 17%, a grande novidade será a realização do Seminário de Defesa, uma atração inédita ao mercado, pois será aberta aos profissionais do setor. Teremos ainda a primeira edição da Aviation Expo Latin America, destinada à aviação civil, um segmento que cresce a cada ano. Com relação ao Programa de Delegações Oficiais, há uma boa novidade que vai agradar aos expositores: 30 oficiais militares brasileiros foram convidados, porque, além da participação esperada do Ministro e dos Comandantes, muitas vezes é importante ter um contato mais direto com esses oficiais que contribuem significativamente no processo de definição de aquisição e aparelhamento.

      [email protected] - Quantos expositores já confirmaram presença? Houve crescimento em relação a 2005?
      Sérgio Jardim: Temos mais de 300 expositores confirmados, incluindo quase 90 novas empresas que estarão pela primeira vez da LAAD. Observamos um crescimento significativo, principalmente, nas áreas ocupadas por empresas de Israel, Índia, África do Sul e também aqui do Brasil.

      [email protected] Houve algum prejuízo pela demora na nomeação dos Comandantes Militares no Brasil?
      Sérgio Jardim: A Feira tem apoio institucional dos Ministérios da Defesa, das Relações Exteriores e das três Forças Armadas, porém a sua realização é independente. A presença dos ministros e dos comandantes, claro, é essencial para enriquecer o evento e contribuir para atrair ainda mais delegações oficiais para o Brasil. O fato dos comandantes serem recém-nomeados pode ser um atrativo a mais para o evento.

      [email protected] - Quanto às delegações estrangeiras, quantas virão e o programa previsto para elas?
      Sérgio Jardim: Para esta edição da LAAD convidamos Delegações Oficiais dos países: África do Sul, Alemanha, Angola, Argentina, Bangladesh, Botsuana, Brasil, Canadá, Chile, China, Colômbia, Equador, Egito, El Salvador, Espanha, França, Guatemala, Guiana, Guiné Bissau, Holanda, Honduras, Índia, Itália, Jordânia, Malásia, México, Namíbia, Nigéria, Paraguai, Peru, Reino Unido, República de Moçambique, República Dominicana, São Tomé e Príncipe, Suécia, Suriname, Tailândia e Uruguai. Os delegados presentes à feira cumprirão uma agenda de reuniões pré-marcadas com certas empresas expositoras durante os quatro dias de realização do evento. O agendamento dessas reuniões tem o apoio de um sistema eletrônico, desenvolvido pela própria Reed, que identifica as solicitações e faz o cruzamento de todas as informações recebidas dos expositores.

      [email protected] - Qual a penetração da LAAD no continente Latino-Americano?
      Sérgio Jardim: A LAAD é um evento internacional que, na última edição, contou com exatamente 301 expositores do mundo. A feira é um canal de negócios para a América Latina, fator este predominante para nossos expositores. As Delegações Oficiais da América Latina representam em média 30% do total de delegações que visitam a LAAD; 20% são de países do Oriente Médio, 20% de países europeus e as demais se dividem entre América do Norte, África e Ásia.

      Comentario


      • #18
        Rusia podría suministrar helicópteros a Brasil
        13:04 | 18/ 04/ 2007





        Río de Janeiro, 18 de abril, RIA Novosti. Rusia podría suministrar helicópteros a Brasil, comunicó el subdirector del Servicio Federal de Cooperación Técnico-Militar, Alexandr Fomin.

        "La parte rusa está dispuesta a negociar el respectivo contrato y suministrar los aparatos", declaró Fomin sin mencionar modelos concretos.

        Comentó que el tema de los helicópteros interesa no sólo a los brasileños, sino a todo el mercado latinoamericano en general donde los helicópteros rusos -civiles y militares- son objeto de elogios.

        La prensa brasileña había informado a principios de abril que hasta finales del mes debía reunirse el Consejo de Defensa Nacional para examinar el plan de modernización de las Fuerzas Armadas de Brasil, y que en esa reunión sería estudiada la compra de helicópteros rusos.

        Alexánder Fomin encabeza la delegación de empresas del complejo industrial-militar de Rusia en la VI Feria Aeroespacial y de Defensa de Latinoamérica (LAAD 2007) inaugurada ayer en Río de Janeiro.

        "Nuestra participación enseña que Rusia tiene serias intenciones de trabajar en los mercados armamentísticos brasileño, latinoamericano y mundial", subrayó el subdirector del Servicio Federal de Cooperación Técnico-Militar
        "La más grande emoción del pueblo incaico y la visión más genuina del Cuzco Imperial es el estruendo guerrero de los días de preparación militar y la estrepitosa algazara de la entrada de los Incas victoriosos al Cuzco."

        Comentario


        • #19



          A EMBRAER revelou ontem, em conferência de imprensa realizada na Latin American Aero & Defence (LAAD), no Rio de Janeiro, que estão em estágio avançado os estudos para um possível novo produto da empresa, uma aeronave de transporte militar de médio porte, bimotor à jato de asa alta. O projeto está sendo chamado por enquanto de EMBRAER C-390, e ainda possui futuro incerto. A empresa não dá como certa a continuidade do desenvolvimento da aeronave, mas já tem definidas as principais características do novo avião e confirma estar em conversa com possíveis países clientes e fornecedores, para captar recursos para o desenvolvimento do projeto. O futuro do C-390 depende do resultado dessa busca por financiamento.

          De uma frota global de 2802 aeronaves de transporte (excetuando-se aí as encontradas na China, Coréia do Norte, Irã e Cuba), a EMBRAER acredita que o C-390 teria um mercado de aproximadamente 700 unidades, divididas por 77 países. Ela optou por posicionar o produto para substituir as aeronaves com mais de 25 anos de operação que deverão sair de cena nos próximos anos. A empresa prevê que seus principais concorrentes serão o A400M, o C-130J, o C-27, o Na-72/74 e as variantes modernizadas do C-130 Hércules.

          Se realmente se concretizar a decisão de prosseguir com o desenvolvimento do projeto, a expectativa é de que sejam necessários quatro anos para a sua finalização, prevendo-se a entrada em serviço dos primeiros exemplares no ano de 2012.

          O possível C-390 está posicionado no mercado de transportes com capacidade de 5 a 25 toneladas de capacidade. Como já havia sido ventilado anteriormente na mídia, a comunalidade com o EMBRAER 190 (jato comercial regional da empresa) é extremamente significativa. Apenas a fuselagem é totalmente diferente, sendo desenhada especialmente para o uso militar, fato comprovado pela existência de uma rampa de carga traseira. Com espaço interno maior que o do Hércules, ele deverá ter capacidade de levar blindados, viaturas de transporte, radares móveis e diversos tipos de outras cargas. As asas e empenagens foram “importadas” do E-190, assim como grande parte do cockpit é idêntico ao modelo civil, exceto os sistemas para o uso de visão noturna e outros aviônicos menores. Haverá apenas a versão de transporte, com capacidade MEDEVAC (Evacuação Aeromédica) e de reabastecimento em vôo. Ele também possuirá uma sonda para ser reabastecido em vôo.



          Fonte: ALIDE
          AD ASTRA PER ASPERA

          Comentario


          • #20
            Más fotos:

            http://www.defesanet.com.br/laad07/2_18abr.htm

            Comentario

            Trabajando...
            X