Anuncio 2

Colapsar

Anuncio

Colapsar
No hay anuncio todavía.

Brasil optó por el MIRAGE 2000C

Colapsar
X
 
  • Filtrar
  • Tiempo
  • Mostrar
Limpiar Todo
nuevos mensajes

  • #16
    La FAP deberia proponerle a la FAB hacer un upgrade en conjunto de sus Mirages, pero no al std. 2000-5 (por demasiado caro, no pq sea malo) y me parece q es posible integrar avionica del JAS-39, puesto q los Suecos saben hacer trabajos para Le France. Se conseguiría intregarlo al radar Erieye del EMB-145 y portar misiles sudafricanos como el A-darter, R-darter, Raptor, Mupsow, Bombas inteligentes israelíes.
    O sino venderselos a Brasil para incrementar nuestros Mig-29 y llevarlos todos hacia SMT.

    Comentario


    • #17
      ola!

      Histórico das versões "B" e "C"

      O primeiro Mirage 2000C saiu das linhas de produção da Dassault em novembro de 1984. Um dos principais atributos deste modelo nas funções de Interceptação e de Superioridade Aérea é seu radar que apresenta um alcance de busca superior a 100Km (62 milhas ou 56 nm). As primeiras 37 aeronaves semi-oficialmente chamados de Mirage2000RDM eram equipadas com o radar multimodo não-coerente Thomson CSF RDM (algumas vezes identificado como Cyrano 500) e movido por um turbofan SNECMA M53-5. Neste lote inicial as primeiras 15 células (Mirage 2000C-S1) receberam o RDM Batch 1 que não apresentando o iluminador de onda contínua (CW) era incapaz de guiar o míssil ar-ar de médio alcance (BVR) Matra Super 530. Suas contra-medidas eletrônicas também eram limitadas pela falta de uma suíte de ECM, contando unicamente com uma unidade Éclair de lançamento de "chaff". As quatro aeronaves produzidas em seguida (células 16 a 19) usavam o radar RDM modificado para apresentar algum tipo de capacidade look-down/shoot-down, mas ainda usava exclusivamente os mísseis de curto alcance guiados por infravermelho. Foi somente no Mirage 2000C-S3, as 18 aeronaves seguintes (20 a 37), que o iluminador de CW foi finalmente adicionado, permitindo o lançamento dos mísseis ar-ar com guiagem semi-ativa Super 530F. Todos os Mirage 2000 anteriores foram eventualmente atualizados para o padrão 'S-3'.
      O Brasil será o segundo país das américas a utilizar o Dassault Mirage 2000, o Peru era até então o único usuário. A Fuerza Aérea Del Peru recebeu em 1986 10 Mirage 2000P, uma variante da versão "E" de exportação, além de 2 Mirage 2000DP, uma variante da versão "B".Veja as fotos aquiA partir da 38ª aeronave o padrão passou a ser o Mirage 2000RDI com o radar RDI, um pulso-doppler ainda mais capaz, e com a nova turbina M53-P2, todos os Mirage 2000 anteriores receberam esta atualização de motor. As primeiras 11 unidades da série (Mirage 2000C-S4, de 38 a 4 possuíam o radar RDI Serie J1-1 e transportavam o míssil Super 530D melhorado em relação à versão F inicial. Estas foram as primeiras unidades capazes de utilizar o míssil guiado por infravermelho R550 Magic 2 que podia ter seu sensor apontado pelo radar RDI radar a bordo do Mirage. A série seguinte de 15 aviões, denominados Mirage 2000C-S4-1, foram equipados com o RDI Serie J1-2 , mas com poucas diferenças. Todos os aviões da série C-S4 foram convertidos para este padrão. As 11 aeronaves da série C-S4-2 series introduziram o radar RDI Serie J2-4 e novamente todos os demais S-4 foram atualizados para este padrão. A designação Mirage 2000C-S4-2A é aplicada aos S4, S4-1 e S4-2 que foram atualizados com o radar Thomson-CSF RDI Serie J2-5 e os controles HOTAS. A designação Mirage 2000C-S5 foi dada às 50 aeronaves (células 75 a 124) que eram equipadas com o radar RDI Serie J3-13. Dois destes aviões receberam o sistema lançador de decoys Matra Spirale. A partir de 1995, as aeronaves da série C-S5 receberam significativas melhoras em seus sistemas ECCM e foram redesignados como Mirage 200C-S5-2C. As primeiras 14 unidades biplaces (designadas Mirage 2000B-S3) eram equipadas com o radar RDM usando o turbofan M53-5. Algumas daquelas unidades iniciais eventualmente receberam radares RDI (possivelmente aqueles retirados dos Mirage 2000C quer sofreram upgrades). As seis aeronaves seguintes (2000B-S4) usaram os Thomson-CSF RDI Series J1-1, enquanto os dois seguintes (2000-B-S4-2) tinham instalado o radar RDI Series J2-4. Os oito Mirage 2000B-S5s que se seguiram tinham o radar RDI Series J3-13 e eram os primeiros biplaces equipados com o motor M53-P2.
      AD ASTRA PER ASPERA

      Comentario


      • #18
        moito obrigado Brasil

        un detalle en la primera foto mas arriba...
        sabemos que son M2000-C, RDI, pero fijense bien en los pilotos 8O
        esos cascos no son cascos ordinarios, me parece que son TOPSIGHT, espero que los FAB los reciban con ese sistema

        el loco.
        ODIO A LOS CHICHEROS!!!

        Comentario


        • #19
          la compra de estos monumentos volantes por parte de brasil me parece muy buena y tambien conveniente para el Peru, ojala en verdad se puedan realizar mejoras en nuetros m-2000 entre ambos paises.

          Comentario


          • #20
            Sim , poderiamos mas o que esqueceram de escrever neste topic é que o M-2000 RDI do brasil foi comprado como uma solução provisória como afirmam altas altoridades da FAB, até que se escolha o caça definitivo, ou seja, uma nova concorrencia com caças mais modernos que os da concorrencia FX-BR. Na nova concorrencia irão estar os caças F-35, Dassaut Rafale (o preferido) , Eurofighter Tipoon entre outros...


            Um abraço
            AD ASTRA PER ASPERA

            Comentario

            Trabajando...
            X